Audiodescrição: campo de atuação promissor para profissionais de tradução

Audiodescrição e acessibilidade

Felizmente, estamos vivendo tempos inclusivos. As discussões referentes a meios de encontrar soluções para promover a acessibilidade de deficientes, em todas as esferas da sociedade, tem crescido significativamente.

Neste cenário, a audiodescrição (AD) ganha cada vez mais força e importância.

Este é um recurso que torna possível que pessoas com deficiência visual, dislexia, déficit de atenção, deficiência intelectual e dificuldade de aprendizagem tenham melhor entendimento e acesso a conteúdo midiático e educacional, tais como:

  • filmes
  • programas de TV
  • teatro
  • eventos esportivos
  • apresentações de dança e óperas – através da descrição dos componentes visuais existentes.

A audiodescrição é, portanto, um meio inclusivo, de acessibilidade comunicacional, que caminha lado a lado com a legendagem para surdos e ensurdecidos (LSE) – ou closed caption, que possibilita que deficientes auditivos sejam capazes de ter acesso a todos os detalhes sonoros, através da legenda.

Tradução audiovisual ou TAV

Tanto a legendagem quanto a audiodescrição fazem parte do nicho da tradução audiovisual (TAV).

Essas atividades surgiram para tornar os produtos audiovisuais acessíveis a deficientes visuais, auditivos e intelectuais, beneficiando milhares de pessoas em todo o mundo.

Nesse sentido, também em muitos casos algumas pessoas com deficiência podem beneficiar-se da legendagem, que também faz parte da tradução audiovisual .

Se você quiser saber mais sobre legendagem, recomendamos os artigos:

Tradução para legendagem: um mercado em expansão

Legendagem: quais os primeiros passos?

É importante ressaltar que esses recursos são relativamente novos e ainda estão sendo analisados e aperfeiçoados, porém já podemos notar a grande importância para a sociedade.

Por isso, ainda não é exigida formação obrigatória nessa área para exercê-las.

e isso não quer dizer que sejam atividades fáceis e que qualquer pessoa tenha capacidade para realizá-las.

O papel fundamental do tradutor na audiodescrição

É aí que entra a importância do tradutor qualificado. Embora a formação não seja obrigatória, o profissional de tradução vem se inserindo cada vez mais nesse setor e figurando como o mais indicado para desempenhar ditas atividades.

Isso se deve ao fato de a tradução ser vista, em sua própria natureza, como uma atividade que promove a acessibilidade, já que permite que pessoas que não dominam idiomas tenham acesso a inúmeros materiais.

Portanto, audiodescrição e tradução são compatíveis na medida que seus objetivos são os mesmos: quebrar barreiras linguísticas e sensoriais.

Além disso, tradutores e intérpretes podem se utilizar de estratégias que já empregam no dia a dia de sua profissão para audiodescrever qualquer tipo de material audiovisual.

Como ser um audiodescritor?

Para desempenhar essa tarefa com qualidade, as habilidades necessárias são as mesmas que um tradutor qualificado precisa ter: boa escrita, respeito ao conteúdo original, capacidade de síntese e compreensão geral do contexto.

No entanto, a autodescrição exige alguns conhecimentos mais técnicos como atenção extrema a detalhes e ao tempo, noções mais específicas sobre o público alvo e atenção aos princípios de objetividade, relevância e imparcialidade.

Dessa forma, essa ‘nova’ profissão vem atraindo profissionais de diversas áreas de formação, mas majoritariamente tradutores e intérpretes, já que é uma modalidade de tradução intersemiótica.

Quais são as tarefas de um audiodescritor?

A profissão de audiodescritor no Brasil foi regulamentada pelo Art. 2º do Projeto de Lei nº 5.156 de 2013, que relaciona as atribuições desse profissional, sendo a primeira delas:

babbelPowered by Rock Convert

“planejar, preparar e narrar roteiro de audiodescrição conforme os requisitos aplicáveis a todas as produções áudio-descritivas”.

Nesse sentido, o audiodescritor deve planejar e preparar o roteiro de audiodescrição.

Ele precisa, antes de qualquer coisa, analisar o produto audiovisual como um todo, a fim de entender seu contexto e analisar as imagens que serão audiodescritas.

Esse profissional deve possuir extrema sensibilidade, a fim de escolher as palavras ideais para descrever as imagens – ou seja, o roteiro da AD não deve se sobrepor ao conteúdo original, e sim seguir o seu andamento, evitando confusões ou mal-entendidos.

O audiodescritor também precisa indicar com precisão e clareza os tempos de entrada da audiodescrição, para que ela se encaixa entre as falas do produto original e facilite o trabalho do locutor.

Um grande exemplo disso diz respeito à questão dos silêncios, das pausas em filmes, por exemplo.

Como deve ser a audiodescrição

É preciso que o audiodescritor compreenda e respeite a dinâmica da narrativa e destaque os momentos de silêncio, caso sejam relevantes, em vez de usar essa lacuna integralmente para descrever detalhes da imagem.

Existem casos em que a cena é meramente contemplativa, e isso deve ser reconhecido no roteiro.

O silêncio narrativo pode ser, portanto, muito relevante e eloquente e o audiodescritor roteirista não deve desconsiderá-lo ou negligenciá-lo.

É importante destacar que uma boa audiodescrição é quase imperceptível, ou seja, não é ela que gera a emoção do filme; essa função continua sendo do próprio filme, de sua trama, diálogos, trilha sonora etc.

Uma AD de qualidade é, nesse sentido, neutra e sutil, integrando-se ao filme de modo a nem mesmo ser percebida.

Resumindo: a audiodescrição precisa ser NATURAL e totalmente integrada à obra original – nem mais, nem menos.

Tradutores podem atuar na audiodescrição

Após termos analisado todos os fatores necessários para que a atividade de audiodescrição seja realizada com excelência, podemos concluir que é fundamental que o profissional responsável por ela possua as competências requeridas para executá-las de forma adequada.

Nesse sentido, os tradutores surgem como os profissionais ideais e mais indicados para se especializar e atuar nessa área.

Tendo em vista que tanto a tradução quanto a AD (audiodescrição) são atividades semelhantes e totalmente compatíveis, na medida em que promovem o aumento da acessibilidade e da inclusão social.

Audiodescrever com profissionalismo

Infelizmente, ainda existem pessoas que acreditam que qualquer um pode desempenhar essa função, que “é só descrever, e mais nada”.

Essa é uma mentalidade extremamente errônea pois, além de prejudicar a qualidade do serviço, desvalorizar o trabalho dos profissionais realmente qualificados para exercê-lo.

Esse cenário também ainda ocorre no setor de tradução, em que profissionais qualificados acabam, muitas vezes, perdendo projetos ou tendo que baixar seus preços mediante o grande número de concorrentes incapazes.

A audiodescrição é mais do que um trabalho: é uma causa nobre, que deve ser cada vez mais valorizada em todos os sentidos.

Portanto, precisamos tratá-la com a devida importância que ela merece, começando pela escolha de profissionais altamente qualificados que estejam a sua altura e façam jus a seu propósito.

Em outras oportunidades nos aprofundaremos um pouco mais sobre a audiodescrição.

Concluindo, pedimos que você comente o que gostaria de saber sobre a audiodescrição e teremos o prazer de atendê-lo.

Compartilhe esse artigo nas redes sociais!

leadloversPowered by Rock Convert

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.