É provável que você já tenha se deparado em esse termo. Clientes e tradutores de espanhol estão acostumados a ouvi-lo, mas muitos ainda não sabem muito bem o que esse conceito implica.

O segmento de traduções e versões ao espanhol mantém muitas semelhanças com outros pares de idioma que não o incluem.

Isso é um fato, e milhares de tradutores encontrariam várias semelhanças em suas vidas profissionais.

Entretanto, os profissionais que traduzem ao espanhol encontram-se, muitas vezes, com pedidos muito específicos de clientes:

“Eu gostaria de uma tradução ao espanhol chileno”

“Estou prestes a expandir minha empresa e preciso que meu site seja traduzido ao espanhol argentino”

“Quero publicar meu livro na Espanha e quero uma tradução segundo o espanhol de lá”

Esse tipo de exigência não é nenhuma novidade, e aponta para uma característica paradoxal da língua espanhola: sua infinita semelhança e, ao mesmo tempo, as múltiplas características de regiões específicas.

Esse fenômeno é facilmente explicável ao tratarmos de uma língua oficial em 22 países, com mais de 110 milhões de pessoas que a falam como segunda língua e que é cada vez mais importante nas relações políticas e comerciais ao redor do mundo.

Todavia, ao lado da procura por traduções voltadas para um contexto mais específico, há uma demanda crescente — talvez muito maior do que a primeira — por textos em espanhol neutro. Mas o que significa isso?

O que é o espanhol neutro?

O espanhol neutro (também conhecido como castelhano neutro, espanhol global e espanhol internacional) é praticamente uma língua criada, ou melhor, recriada a partir do espanhol padrão que encontramos em gramáticas, dicionários e livros didáticos.

Isso significa que funciona como uma nova forma estandardizada da língua, e exclui características linguísticas que são identificadas em variantes específicas a nível macro (mexicana, colombiana, etc.).

O objetivo de tal configuração linguística salta aos olhos: fazer com que os meios de comunicação e entretenimento possam chegar (e vender) seus produtos ao máximo número possível de hispanofalantes.

Pode ser definido como uma modalidade que nasce do castelhano e que tem fins comerciais em uma ampla área territorial.

 História da Língua Espanhola

A ideia de ver o espanhol como uma língua coletiva não é novidade, e até agrupações de falantes de escopo mais pequeno já foram alvo de políticas que partiram de pressupostos hegemônicos.

Nesse sentido, encontrar semelhanças em meio a diferenças é possível, mas o que importa é que a relação entre língua e Estado, no caso do espanhol, é mais complexa do que a de outras línguas românicas.

Um marco importante para a discussão é o das independências americanas, a partir de 1808.

A língua não passaria impune nesse processo, e se ela era, ao mesmo tempo, uma consequência do longo processo colonial, seria também um dos eixos de formação dos novos países.

A Real Academia Española (RAE) e a Asociación de Academias de la Lengua Española (ASALE) foram agentes importantes para promover a ideia de um espanhol comum, mas diferente, durante todo o processo.

Nesse ínterim, normas subjacentes nasceriam dos novos centros de prestígio do mundo hispanofalante.

As grandes capitais como Buenos Aires, Santiago del Chile e Bogotá representavam variantes que não estavam “erradas”, mas não eram iguais ao “espanhol ibérico” (com todas as aspas possíveis, há múltiplas variantes de espanhol na península).

babbelPowered by Rock Convert

Normas linguísticas e mercado editorial

As normas linguísticas que saíam desses referentes era plurilateral, fixada em aspectos superficiais e comuns aos centros.

No fim do século XX a Espanha ressurge como potência econômica, e aproveita o momento de alta do hispanismo.

Os interesses de uma cultura de massa acorde a uma postura política liberal aproxima os produtos culturais de massa e os consumidos pelas elites.

A formação de um mercado editorial amplo (e principalmente controlado pela Espanha), a consolidação do cinema, rádio, novelas e música são os melhores exemplos de uma nova era para a circulação de produtos dentro da comunidade de falantes de espanhol.

Por essa razão, muitos produtos e serviços são pensados para um público trans-hispânico. Nesse sentido, uma característica constitutiva da língua influi nesse contexto:

Falada em mais de vinte países, o espanhol constitui, na realidade, um conjunto de normas diversas, que partilham, não obstante, uma ampla base comum: aquela que se manifesta na expressão culta de nível formal, extraordinariamente homogênea em todo o âmbito hispânico, com variações mínimas entre as diferentes regiões, quase sempre de nível fônico e lexical (RAE 2005: xiv apud Fanjul, Adrian 2011: 330).

O que é o espanhol neutro, na prática?

Com toda a discussão que desenvolvemos até agora, já ficou mais fácil de entender o conceito de espanhol neutro e como ele funcionaria na prática.

Na oralidade, é importante ressaltar que o espanhol neutro é formado por 17 fonemas consonantais (o espanhol do centro e de considerável parte norte da Espanha possui 19, para que possamos comparar).

Isso significa que o espanhol neutro é seseante, não tem o fonema interdental Ө .

Ao traduzir um texto guiado por esse objetivo, o tradutor irá empregar termos que são mais comuns em todo o mundo hispânico.

Nada de pibe, gurí ou chaval, um texto em espanhol neutro irá preferir termos como chico ou niño.

Qual o objetivo do Espanhol neutro?

O objetivo principal é tornar o texto compreensível em qualquer lugar em que estejam os falantes de espanhol, sejam nativos ou falantes estrangeiros.

É perceptível a preferência do pronome interrogativo cuál em detrimento de qué, e a ausência de complemento direto em várias sentenças;

Por exemplo: Ella no sabe que nosotros sabemos, alguién tendrá que explicarle a la pobre (eso).

Também é comum o uso alternado do pretérito perfeito (ha venido, he comprado) e do pretérito indefinido (viniste, compraste) para falar de uma ação não concluída dentro de um espaço de tempo no passado.

Às vezes usa-se até mesmo o presente em casos congêneres.

No que diz respeito aos pronomes, o uso de é generalizado, assim como ustedes para o plural.

Formas do vos moderno praticamente desaparecem, e o único uso do pronome é em textos que buscam criar um efeito arcaico.

Você já teve experiências com o espanhol neutro? Compartilhe seus conhecimentos nos comentários. ¡Hasta luego!

 

2 thoughts to “O que é espanhol neutro

  • Sérgio Vaz

    Boa noite, estava pesquisando sobre espanhol neutro e encontrei este texto. Parabéns pela excelente discussão. Fiquei com uma dúvida: existe um pensamento que todas as linguas tem uma forma ‘neutra’, por exemplo no Brasil, que adota-se o português do rio/são paulo em quase todas as traduções. Qual seria a diferença do espanhol neutro e dessa prática?
    Obrigado e muito sucesso
    Sérgio

    Responder
    • Rosane Bujes

      Boa noite, Sérgio. Bem-vindo ao blog.
      As diferenças no espanhol são muitas. Tudo dependerá do mercado ou país que se deseja atingir. Normalmente, utiliza-se o Espanhol usado na Espanha, porém é preciso ver muitos fatores. O cliente, que deseja uma tradução para determinado país irá informar seu objetivo. Somente assim, o tradutor poderá tomar suas decisões terminológicas.

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.